Ultimas Notícias
A pedido do MP, bens de ex-vereador de Pires do Rio são bloqueados em quase R$ 200 mil
Dispensa indevida de licitação foi apontada pelo promotor
26/07/2018
     Acatando requerimento do promotor de Justiça Tommaso Leonardi, o juiz Hélio Antônio de Castro determinou a indisponibilidade de bens do ex-presidente da Câmara Municipal de Pires do Rio Sílvio Donizete Felipe, até a soma correspondente do prejuízo causado aos cofres do Legislativo, acrescido de multa civil no valor do acréscimo patrimonial indevido do gestor, no valor de R$ 185.275,12. O prazo para cumprimento da medida é de dez dias.

     O bloqueio, conforme esclarece o promotor de Justiça, é necessário como forma de garantir o ressarcimento do dano, ocorrido em razão de dispensa indevida de licitações realizadas em 2015 e 2016, quando Sílvio presidia a Câmara.

     Investigação do MP apurou que o ex-presidente contratou diretamente as empresas Brasal Goiás Serviços, Martins de Menezes e Balbuíno Pires Advogados Associados e Resende Assessoria Pública, e o particular Paulo Ricardo Antunes, sem que estivessem presentes as hipóteses previstas em lei para dispensa e inexigibilidade do procedimento licitatório.

     Foi constatado também que ele contratou diretamente e indevidamente outras empresas, tais como a Cristiano Alves da Silva ME, Sebastião Mendes da Cunha e Cia Ltda., Ribeiro Materiais Pesados Ltda., Real Indústria e Comércio Ltda., Marcelo Luiz Vieira e Cia Ltda., Construrio Material de Construção Ltda., Valério Zanluqui Neto e Cosmol Comércio de Materiais de Construção e a pessoa física Edson Alves Nogueira.

     Conforme lista Tommaso Leonardi no processo, as contratações são referentes, entre muitos materiais e serviços, à prestação de serviço de pintura; compra de tinta, acessórios e material elétrico; confecção de grades; compra de portas, fechaduras e divisórias; mão de obra; reparos e troca de equipamentos de telefonia; conserto de materiais de som e instalação de equipamentos diversos.

     O promotor observa que houve fracionamento indevido dos objetos, que, em tese, seriam usados em uma obra de reforma no prédio da Câmara Municipal, sem, contudo, existir a formalização de qualquer procedimento licitatório.

     “Embora individualmente os valores das contratações não ultrapassassem o valor previsto na Lei de Licitações, analisados conjuntamente ultrapassam R$ 90 mil, montante que obrigaria o Legislativo a realizar a licitação correspondente, o que configura a prática de improbidade administrativa do então gestor”, avalia o promotor. Tommaso Leonardi aponta ainda que, a partir de depoimentos prestados ao MP, não houve a prestação dos serviços, nem a entrega dos objetos contratados. (Cristiani Honório / Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

     


COMENTÁRIOS
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
Quanto é 6 + 3Responda:

Mais Recentes

AINDA NÃO HÁ NENHUM COMENTARIO, SEJA VOCÊ, O PRIMEIRO A COMENTAR...

Fique Ligado
Ex-prefeita de Pires do Rio Cida Tomazini e outros 5 acionados pelo MP têm bens bloqueados

Concurso IF GOIANO

Cursos grátis na Casa da Cultura em Pires do Rio

Prefeito Issy Quinan Júnior reivindica volta do serviço 190

Confiança dos micro e pequenos empresários cresce, diz pesquisa

enso Escolar 2018 - aberta a segunda etapa para coleta de dados

Posse nova subsecretaria regional de Educação reúne lideranças da cidade e educadores

Posse nova subsecretaria regional de Educação reúne lideranças da cidade e educadores

Jornal
do Sudeste
MENU