Ultimas Notícias
A pedido do MP, bens de ex-vereador de Pires do Rio são bloqueados em quase R$ 200 mil
Dispensa indevida de licitação foi apontada pelo promotor
26/07/2018
     Acatando requerimento do promotor de Justiça Tommaso Leonardi, o juiz Hélio Antônio de Castro determinou a indisponibilidade de bens do ex-presidente da Câmara Municipal de Pires do Rio Sílvio Donizete Felipe, até a soma correspondente do prejuízo causado aos cofres do Legislativo, acrescido de multa civil no valor do acréscimo patrimonial indevido do gestor, no valor de R$ 185.275,12. O prazo para cumprimento da medida é de dez dias.

     O bloqueio, conforme esclarece o promotor de Justiça, é necessário como forma de garantir o ressarcimento do dano, ocorrido em razão de dispensa indevida de licitações realizadas em 2015 e 2016, quando Sílvio presidia a Câmara.

     Investigação do MP apurou que o ex-presidente contratou diretamente as empresas Brasal Goiás Serviços, Martins de Menezes e Balbuíno Pires Advogados Associados e Resende Assessoria Pública, e o particular Paulo Ricardo Antunes, sem que estivessem presentes as hipóteses previstas em lei para dispensa e inexigibilidade do procedimento licitatório.

     Foi constatado também que ele contratou diretamente e indevidamente outras empresas, tais como a Cristiano Alves da Silva ME, Sebastião Mendes da Cunha e Cia Ltda., Ribeiro Materiais Pesados Ltda., Real Indústria e Comércio Ltda., Marcelo Luiz Vieira e Cia Ltda., Construrio Material de Construção Ltda., Valério Zanluqui Neto e Cosmol Comércio de Materiais de Construção e a pessoa física Edson Alves Nogueira.

     Conforme lista Tommaso Leonardi no processo, as contratações são referentes, entre muitos materiais e serviços, à prestação de serviço de pintura; compra de tinta, acessórios e material elétrico; confecção de grades; compra de portas, fechaduras e divisórias; mão de obra; reparos e troca de equipamentos de telefonia; conserto de materiais de som e instalação de equipamentos diversos.

     O promotor observa que houve fracionamento indevido dos objetos, que, em tese, seriam usados em uma obra de reforma no prédio da Câmara Municipal, sem, contudo, existir a formalização de qualquer procedimento licitatório.

     “Embora individualmente os valores das contratações não ultrapassassem o valor previsto na Lei de Licitações, analisados conjuntamente ultrapassam R$ 90 mil, montante que obrigaria o Legislativo a realizar a licitação correspondente, o que configura a prática de improbidade administrativa do então gestor”, avalia o promotor. Tommaso Leonardi aponta ainda que, a partir de depoimentos prestados ao MP, não houve a prestação dos serviços, nem a entrega dos objetos contratados. (Cristiani Honório / Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

     


COMENTÁRIOS
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
Quanto é 4 + 10Responda:

Mais Recentes

AINDA NÃO HÁ NENHUM COMENTARIO, SEJA VOCÊ, O PRIMEIRO A COMENTAR...

Fique Ligado
Jornal
do Sudeste
MENU