Ultimas Notícias
MP pede na Justiça que empresas de Catalão esvaziem barragens de rejeitos
14/04/2019
     O Ministério Público de Goiás está acionando as empresas Mosaic Fertilizantes P&K Ltda  e Coperbrás Indústria Ltda  para que promovam o descomissionamento (desativação) das barragens mantidas pelas duas empresas, com rejeitos advindos da extração de rocha fosfatada para a fabricação de fertilizantes. É pedido que sejam adotadas todas as medidas preventivas para não causar danos ao meio ambiente e à vida humana.

     Na ação, o promotor de Justiça Roni Alvacir Vargas requereu ainda a remoção de todos os residentes na Zona de Autossalvamento (ZAS) para moradias urbanas dignas, com todas as despesas custeadas pela requerida (aluguel, transporte/mudança), até a conclusão da obra de descomissionamento das barragens.

     Segundo detalhou o promotor nas ações, após a tragédia de Mariana, em 2015, causada pelo rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco, a 3ª Promotoria de Catalão instaurou inquéritos para apurar as condições de segurança e estabilidade das barragens de rejeitos das empresas mineradoras instaladas nos municípios de Catalão e Ouvidor. Dessa investigação foi possível verificar que as barragens são classificadas como de baixo risco, porém, com alto dano potencial associado e impacto ambiental muito significativo.

     --“As tragédias de Mariana e Brumadinho nos ensinam que  ‘estocar lama e água’ não tem sido uma boa ideia”, afirmou o promotor.

     --De acordo com Roni Alvacir, as barragens da Samarco e da Vale, em Brumadinho, conforme divulgado pela imprensa, possuíam documentação que atestava a condição de segurança e estabilidade e, mesmo assim, romperam-se causando extraordinária devastação ambiental e humana.

     /Pedidos liminares

     Assim, em caráter de urgência, é pedida ao Estado, também réu na ação, a imediata suspensão dos licenciamentos que autorizam obras de alteamento (elevação) das barragens de rejeitos dessas unidades, localizadas no município de Catalão. Em relação à empresa Mosaic, é pedida a suspensão da licença de funcionamento, na parte que autoriza a obra de alteamento da barragem de rejeitos, advindos da extração de rocha fosfatada para a produção de fertilizantes. Ainda em caráter liminar é requerida a paralisação da obra e a implantação de medidas técnicas que reduzam o armazenamento de água na barragem.

     Quanto à empresa Coperbrás, é requerida a suspensão da licença de instalação da obra de alteamento da barragem de rejeitos (Barragem do Buraco), até a cota de 860 metros, caso tenha sido concedida, ou a proibição de sua concessão. No prazo de 60 dias é pedida ainda à empresa a implementação de medidas técnicas que reduzam o armazenamento de água na Barragem do Buraco, a qual contém rejeitos da rocha fosfática beneficiada pela empresa.

     A ambas empresas é pedida a implementação urgente de medidas preventivas de alerta e orientação à população residente na Zona de Autossalvamento (ZAS) e na Zona de Salvamento Secundário (ZSS). Ainda relativo às duas ações, é requerido que não seja designada audiência de conciliação, tendo em vista que o principal pedido da presente ação consiste no descomissionamento das barragens de rejeitos, proposta recusada pelas empresas extrajudicialmente.

     No mérito das ações é pedido que o Estado de Goiás seja condenado a não autorizar ou licenciar obra de construção de barragem de rejeitos, nem novos alteamentos das barragens de rejeitos. Além disso, que reveja, por meio do órgão ambiental, o processo de beneficiamento da rocha fosfática, exigindo o emprego de tecnologia que dispense o armazenamento de rejeitos em barragens.

     Conforme sustenta o promotor, este é um momento propício para que o órgão ambiental estadual reanalise as exigências relativas a estes empreendimentos. (Texto: Cristina Rosa- Fotos: João Sérgio /Assessoria de Comunicação Social do MP-GO) 


COMENTÁRIOS
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
Quanto é 9 + 9Responda:

Mais Recentes

AINDA NÃO HÁ NENHUM COMENTARIO, SEJA VOCÊ, O PRIMEIRO A COMENTAR...

Fique Ligado
Reunião no MP-GO aponta soluções para município

Servidores evitam entrada de drogas na Unidade Prisional de Ipameri

Servidores evitam entrada de drogas na Unidade Prisional de Ipameri

Repasse extra do FPM será creditado no dia 9 de julho

MP-GO lança campanha de enfrentamento à violência contra idoso

Juiz acolhe pedido do MP e interdita totalmente presídio de Cristalina

Câmara mantém prefeita de Pires do Rio no cargo e Comissão Processante continua os trabalhos

Cenário positivo para aprovação do 1% do FPM de Setembro

Jornal
do Sudeste
MENU