Ministério Público recorre ao STF para suspender liminar que permitiu abertura das academias
27/05/2020
     O Ministério Público de Goiás (MP-GO) recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF), na noite de segunda-feira (25/5), com pedido de suspensão da liminar que permitiu a abertura das academias em Goiás. A peça é assinada pelo procurador-geral de Justiça, Aylton Flávio Vechi, que alega falta de embasamento científico que fundamente a abertura dos espaços.

     “A decisão cuja executoriedade o Ministério Público pretende suspender está fundada – para além das platitudes lançadas na defesa dos benefícios da atividade física – em critérios que desconsideram as evidências científicas e os dados técnicos de órgãos e autoridades de saúde deste Estado\", afirma, no documento.

     O procurador-geral de Justiça cita, ainda, que as academias não estão no rol das atividades consideradas essenciais no decreto estadual em vigor (9.653/20). Para Vechi, a decisão de reabrir estes espaços enquanto perdura a Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin) \"apresenta indiscutível risco de grave lesão à saúde e à ordem públicas.\"

     O pedido de suspensão de liminar traz também notícia sobre um estudo sul-coreano que rastreou o contágio do vírus em academias. Aulas de dança nesses espaços, onde a respiração é ofegante e se produz muito suor, aceleraram a expansão do coronavírus naquele país. (Texto: Pedro Palazzo - Assessoria de Comunicação do MP-GO / Foto: Pexels)

Untitled Page
JORNAL          SUDESTE